Espero que seu emprego acabe logo

E as empresas também não se importam com isso

Posted by Phillipe Soares on October 08, 2018 · 27 mins read

E antes que você comece a me crucificar, vou te explicar que isso é uma boa notícia.

Eu venho do ambiente corporativo, quase 10 anos trabalhando em empresas de tecnologia, buscando resolver problemas que geram milhões ou talvez bilhões de reais para essas empresas.

Mas nada de solucionar um problema real e que impacte o mundo da maneira que eu acredito.

Não quero dizer que você precise fazer isso, mas é algo que eu comecei a buscar com mais consciência a partir de 2014.

“people doing office works” by Alex Kotliarskyi on Unsplash

Estive num ambiente desses, como da figura, e o que mais me incomodava era que algumas atividades poderiam ser feitas sem a minha ajuda.

Na primeira empresa que eu trabalhava, brincávamos que uma atividade nossa poderia ser feita por não humanos dado o processo mecânico e repetitivo que exercíamos.

Ainda nesse escritório, nenhuma das minhas habilidades humanas era desenvolvidas conscientemente. Nada sobre comunicação, inteligência emocional e interpessoal, argumentação, resiliência. Todas essas habilidades eram sub-utilizadas.

Era isso que me deixava mais frustrado!

Entre 2013 e 2016, anos em que trabalhei no mercado financeiro, pude conhecer muita gente infeliz com o dia a dia do trabalho. Eu era uma dessas pessoas também.

A diferença é que eu trabalhava numa área em que muita gente estava há 30 anos na empresa e prestes a se aposentar. Só que em vez de felicidade, essas pessoas estavam preocupadas.

Para resumir, nenhuma dessas pessoas prestes a aposentar, quando aposentou, parou de trabalhar de fato. Pelo contrário, em muitos casos tiveram uma guinada na carreira.

Sim, carreira! E peço desculpas pela generalização dos dados, pois estou trabalhando com a percepção do mundo que vivi. Mas o que eu observei naqueles 3 anos é que a maior parte dos que se aposentam continuam a trabalhar, mesmo não precisando tanto mais assim: por precisar de recursos financeiros para manter a família, por estarem perdidos procuram manter o status quo ou encontram algo que faça sentido e dá prazer.

Muita gente decide tirar um tempo para curtir e viajar, outros vão para outras empresas com a mesma função e vi algumas pessoas se encontrando profissionalmente depois de mais de 30 anos de carreira.

Algo que me chama atenção nesse processo todo é que o início da nossa carreira tem como um dos objetivos a aposentadoria, mas é quando ela finalmente chega que percebemos que não era bem assim. O Tim Ferriss fala bem sobre isso no seu livro "Trabalhe 4 horas por Semana". Trabalhar e depois se aposentar é o que o senso comum prega. Mas depois que aposentarmos, o que acontece?

Procuramos algo que vai nos satisfazer!

Tá, você vai me dizer que isso não se aplica ao seu mundo, a sua realidade. Eu concordo. Realmente não se aplica. Mas para muita gente isso funciona. E no mundo que eu vivi, observei e senti na pele, a maioria das pessoas vão por esse caminho.

“person holding photo while painting” by dhe haivan on Unsplash

O trabalho que você faz hoje, se não te satisfaz, muito provavelmente pode ser feito por uma outra pessoa que vai se sentir realizada ou por uma máquina. Essas são as 2 opções que aparecem na nossa cara.

Pode parecer desesperador qualquer uma das alternativas. Porém é nesse momento que criamos a possibilidade de fazer algo que faça sentido e, consequentemente, fazer dinheiro a partir disso.

Não é um caminho fácil e desenvolver a inteligência emocional (quando você tem mais de 40) e resiliência é fundamental no processo.

Se você chegou até aqui, espero que esteja com as suas pedras guardadas no bolso, ainda vamos lapidá-las nesse artigo.

Vamos a uma pequena e rápida história.

Meu pai tem 50 anos. Aposentado. Me lembro quando eu era criança que ele me dizia sobre o que ele esperava quando fosse se aposentar. Ele descrevia o mundo que ele sonhava e que esperava viver dessa maneira:

Quando eu me aposentar, eu não quero mais trabalhar. Vou finalmente jogar minha bola toda semana. Quero poder voltar a jogar o vôlei de fim de semana ou jogar umas partidas de tênis com você. Quero e vou fazer tudo aquilo que eu tenho vontade.

Quando ele se aposentou, em menos de 6 meses, ele tinha decidido que continuaria trabalhando e viraria corretor de seguros. Hoje ele tem uma nova profissão, outras perspectivas e está começando a empreender sem nem saber o que significa essa palavra. Não fala mais de aposentadoria.


Vamos voltar ao título do texto.

Por que eu espero que seu trabalho acabe logo?

Porque a chance de você descobrir que não quer se aposentar é grande. Ou talvez você esteja muito longe da aposentadoria ou simplesmente está insatisfeito com a sua atividade no trabalho. Ou seja, você aposentando, sendo mandado embora ou uma máquina te substituindo, além do trauma inicial, você terá uma grande chance de se reinventar e buscar um novo caminho que faça mais sentido (e talvez, mais dinheiro).

A forma como trabalhamos hoje está falida. Basta ver a lista de 10 skills dos profissionais mais bem pagos em 2020. Lá você pode ver que flexibilidadenegociaçãointeligência emocional, entre outros, são habilidades importantes para o profissional do futuro. E eu vejo que nos trabalhos que temos hoje, essas habilidades são sub-utilizadas.

Eu comecei essa minha transição com 27 anos e sem saber que eu estava me preparando pro futuro. Me considero um artista, porque consigo criar novos quadros (modelos de negócio), costurar soluções e conectar pessoas. Esse tem sido o meu trabalho. E isso uma máquina dificilmente conseguirá fazer.

A pergunta que me faço todos os dias é:

Estou feliz com o que eu faço? Eu faria isso até o último dia de vida?

Então estou no caminho certo.

Espero mesmo que o seu trabalho acabe. Pra dar uma chance de você se reinventar, se realizar trabalhando em algo que faça sentido na sua vida, ser recompensado financeiramente por isso e colocar quem você realmente é para fora através do que você fala, do que você faz e do que você produz.